Categoria: Crónicas Inéditas

UMA NOITE NA ILHA

Durante anos sonhei com a silhueta misteriosa de uma ilha envolta em nevoeiro que se avistava da costa Norte de Espanha. Decidi passar lá o dia (e a noite) dos meus 30 anos. Descobri um autêntico paraíso selvagem. Já a história mística da ilha, só viria a descobrir mais tarde.

O HÓSPEDE DO HOTEL ABANDONADO

Numa viagem aos Açores, encontrei um velho hotel abandonado. Contornei o portão trancado com correntes e explorei todos os seus recantos. Subi até ao andar mais alto, onde deduzo que se situavam as suites mais exclusivas e deparei-me com a vista privilegiada para um dos cenários mais idílicos de Portugal: A Lagoa das Sete Cidades. Finalmente percebi porque os antigos hóspedes apelidavam aquelas janelas de “quadro vivo”.
Era para contar a sua história, mas o que devia ser a entrada, uma introdução ficcional e evocativa com meia dúzia de linhas, ganhou vida própria e tornou-se, ela mesma, no texto.
Decidi que seria ele a ficar hospedado no Crónicas da Madrugada.

MIGUEL E A JANELA DE LIVROS

É intemporal, o meu fascínio por Alfarrabistas. Tenho boas recordações de tardes inteiras em Londres, Barcelona ou Porto a explorar os seus corredores labirínticos, as suas prateleiras imensuráveis, os seus sótãos ou caves amontoadas com palavras antigas. Algumas dessas visitas inspiraram reportagens, que hoje testemunham casas que já não existem. Recentemente, descobri um em Coimbra. Descobri-o tarde demais. É mais uma casa que deixará de existir. Numa mísera tentativa de redenção, resolvi contar a sua história.

UMA CAMINHADA NA FLORESTA DAS ALMAS PERDIDAS

Um filme de terror português é um cenário raro no panorama cinematográfico nacional. Um sonho difícil de alcançar que uma equipa jovem decidiu perseguir. Na algibeira, um orçamento irrisório e uma vontade abastada. Foi filmado em Águeda, a minha terra natal, mas já se espalhou pelos quatro cantos do mundo, onde conquistou aplausos, vénias, prémios e o respeito da crítica internacional.
Estas são algumas histórias nos bastidores da sua produção.

AS FRONTEIRAS DA GUERRA (II – A Noite de Todos os Perigos)

As balas continuam a cruzar os céus em Trás-os-Montes. Missão a missão, as forças do spetsnaz avançam na direcção do seu destino. O único destino que aceitam conhecer. A noite começa a cair. Estes homens ainda não sabem, mas o destino vai-se apresentar na escuridão. O meu nome é Viktov Malu. E esta é a história que eu trouxe quando atravessei as fronteiras da guerra.

AS FRONTEIRAS DA GUERRA (I – Fúria ao Entardecer)

Chaves esteve em guerra. Durante 48 horas, jipes com metralhadoras, antiaéreas, camiões militares e mais de uma centena de “soldados” invadiram as montanhas de Trás-os-Montes. “Dark Revelation” é considerado o evento de airsoft mais realista do país. Tudo é meticulosamente organizado de forma a oferecer aos participantes uma experiência de combate real. Ao longo de uma saga que já contabiliza quatro eventos, foi criado um enredo cheio de detalhes e com nações e exércitos ficcionais. O nível de genuinidade é tão extremo que durante 48 horas as fronteiras entre a realidade e a simulação misturam-se, tornam-se ambivalentes. Quando essa linha indefinida é atravessada – e estes homens atravessam-na – a única diferença é que as “balas” são de plástico.
Acompanhei o evento como repórter de guerra e integrei um batalhão de forças especiais russas (Vityaz). Atravessei com eles as florestas, vivi com eles nas trincheiras, partilhei as suas sensações.
Uma dúvida subsistia. Como se cobre um evento onde se tenta recriar a realidade ao mais ínfimo detalhe? Talvez só haja uma forma de o fazer. Como se tudo fosse, efetivamente, real!
Por isso, a partir deste momento, o meu nome é Viktov Malu. E esta é a história que eu trouxe quando atravessei as fronteiras da guerra.

A GUARDIÃ DE CAVALOS DE FERRO

Durante décadas, habituámo-nos a ver a guarda da passagem de nível a sair dos seus cubículos de tijolo e telha e a atravessar a estrada com uma corrente na mão ou a manejar a cancela que delimita a passagem. Eram elas que controlavam o tráfego de carros e peões durante a passagem dos comboios. Já a passagem do tempo é incontrolável e a Refer tem vindo a suprimir e reconverter as passagens de nível com meios automatizados. Junto à linha do Vouga, a única linha de via estreita ainda em funcionamento no país, encontrámos uma destas profissionais, que aceitou partilhar connosco o seu cubículo e o seu quotidiano. Testemunhámos os hábitos, motivações, métodos e receios de uma profissão em vias de extinção.