Categoria: Crónicas Inéditas

CARTA A UM FILHO POR NASCER

A carta foi escrita na minha cabeça há um ano. Nas quatro horas passadas na sala de espera da maternidade e nas sete na sala de partos. A escrita era ansiosa e entusiasmada, viajava por todo o lado. Quando estava quase na hora da tua chegada ao mundo, corri cá fora e entreguei-a a um carteiro mágico, que usa barba lilás e tem uma scooter voadora. A carta estava selada num envelope, com a instrução: “Só entregar daqui a um ano”. Bateram à porta há instantes. Era ele, deixou-a cá para ti. Feliz aniversário filho!

PAULICEA: A MANSÃO ASSOMBRADA DA MINHA INFÂNCIA

Durante décadas esta casa abandonada intrigou o imaginário popular de Águeda. Muitos diziam estar assombrada. Já outros, juravam que escondia passagens subterrâneas para tesouros antigos. A mim, despertava-me um fascínio intenso desde criança.
A casa já não existe, mas enquanto existiu, estive lá dentro, explorei todos os seus recantos e até conversei com quem já lá viveu. Medo, deslumbramento, memórias, curiosidade, assombro, superstições. Estas são as histórias da Mansão da Paulicea.

O MANTO QUE NÃO SE RASGA

Já tinha ouvido falar da sala vermelha. Por vezes ouvem-se gritos que rasgam a noite e ecoam nas paredes e nas grades desta velha prisão. Dizem que eles vêm sempre lá de dentro. Habituámo-nos a conviver com esse fantasma de tijolos e azulejos, esse antro mórbido que nos aterroriza mas, ao mesmo tempo, nos ajuda a relativizar tudo o que passamos cá dentro.

JOÃO SILVA: CONFISSÕES DE UM MEMBRO DO BANG-BANG CLUB

Um grupo de quatro fotojornalistas cobriu os violentos conflitos no pós-appartheid da África-do-Sul. Destacavam-se dos outros pois acompanhavam a violência lado a lado. Kevin Carter, Greg Marinovich, Ken Oosterbroek e João Silva. Foram apelidados de “Bang Bang Club” e as suas façanhas inspiraram livros, documentários e até um filme de Hollywood. Um deles é português e a paixão pela profissão quase lhe custou a vida. Estive com ele e ouvi as suas histórias.

THE WITCHER: VIAGEM DE 30 ANOS PELA NEBLINA DA NOSTALGIA

Antes de me deixar encantar pela série “The Witcher”, já me tinha apaixonado pelo videojogo homónimo. Um jogo que nos apresenta um fascinante mundo antigo, recheado de lendas e fantasia, e nos dá liberdade para o explorar, interagindo com (quase) tudo o que lá existe. Esses momentos fizeram-me recuar cerca de três décadas, quando uns livros mágicos de capa verde chamados “Aventuras Fantásticas” me revelaram essas mesmas possibilidades, ambientes e sensações. Esta é a história dessas viagens.

UMA NOITE NA ILHA

Durante anos sonhei com a silhueta misteriosa de uma ilha envolta em nevoeiro que se avistava da costa Norte de Espanha. Decidi passar lá o dia (e a noite) dos meus 30 anos. Descobri um autêntico paraíso selvagem. Já a história mística da ilha, só viria a descobrir mais tarde.

O HÓSPEDE DO HOTEL ABANDONADO

Numa viagem aos Açores, encontrei um velho hotel abandonado. Contornei o portão trancado com correntes e explorei todos os seus recantos. Subi até ao andar mais alto, onde deduzo que se situavam as suites mais exclusivas e deparei-me com a vista privilegiada para um dos cenários mais idílicos de Portugal: A Lagoa das Sete Cidades. Finalmente percebi porque os antigos hóspedes apelidavam aquelas janelas de “quadro vivo”.
Era para contar a sua história, mas o que devia ser a entrada, uma introdução ficcional e evocativa com meia dúzia de linhas, ganhou vida própria e tornou-se, ela mesma, no texto.
Decidi que seria ele a ficar hospedado no Crónicas da Madrugada.

MIGUEL E A JANELA DE LIVROS

É intemporal, o meu fascínio por Alfarrabistas. Tenho boas recordações de tardes inteiras em Londres, Barcelona ou Porto a explorar os seus corredores labirínticos, as suas prateleiras imensuráveis, os seus sótãos ou caves amontoadas com palavras antigas. Algumas dessas visitas inspiraram reportagens, que hoje testemunham casas que já não existem. Recentemente, descobri um em Coimbra. Descobri-o tarde demais. É mais uma casa que deixará de existir. Numa mísera tentativa de redenção, resolvi contar a sua história.