THE WITCHER: VIAGEM DE 30 ANOS PELA NEBLINA DA NOSTALGIA

Antes de me deixar encantar pela série “The Witcher”, já me tinha apaixonado pelo videojogo homónimo. Um jogo que nos apresenta um fascinante mundo antigo, recheado de lendas e fantasia, e nos dá liberdade para o explorar, interagindo com (quase) tudo o que lá existe. Esses momentos fizeram-me recuar cerca de três décadas, quando uns livros mágicos de capa verde chamados “Aventuras Fantásticas” me revelaram essas mesmas possibilidades, ambientes e sensações. Esta é a história dessas viagens.

UMA NOITE NA ILHA

Durante anos sonhei com a silhueta misteriosa de uma ilha envolta em nevoeiro que se avistava da costa Norte de Espanha. Decidi passar lá o dia (e a noite) dos meus 30 anos. Descobri um autêntico paraíso selvagem. Já a história mística da ilha, só viria a descobrir mais tarde.

O HÓSPEDE DO HOTEL ABANDONADO

Numa viagem aos Açores, encontrei um velho hotel abandonado. Contornei o portão trancado com correntes e explorei todos os seus recantos. Subi até ao andar mais alto, onde deduzo que se situavam as suites mais exclusivas e deparei-me com a vista privilegiada para um dos cenários mais idílicos de Portugal: A Lagoa das Sete Cidades. Finalmente percebi porque os antigos hóspedes apelidavam aquelas janelas de "quadro vivo". Era para contar a sua história, mas o que devia ser a entrada, uma introdução ficcional e evocativa com meia dúzia de linhas, ganhou vida própria e tornou-se, ela mesma, no texto. Decidi que seria ele a ficar hospedado no Crónicas da Madrugada.
Load more